quarta-feira, 6 de abril de 2016

Otimismo aumenta a qualidade de vida

Pessoas otimistas interpretam os acontecimentos de maneira contrária ao pessimista, portanto quando algo negativo acontece é interpretado como algo específico (só naquela situação)  e externo a ele (outras pessoas ou circunstâncias), e temporário (só dessa vez) e um evento positivo como pessoal, abrangente e permanente.
 Já pessoas pessimistas dão mais ênfase aos resultados negativos, ficam gerando explicações. São pessoas orientadas para  o passado, enquanto as otimistas estão envolvidas com o presente e orientadas para resultados positivos no futuro.
 Mas o otimismo pode ser aprendido e por que investir no otimismo? Leia o artigo abaixo da Psicóloga Lia Clerot (http://liaclerot.com.br/), que explica a relação do pensamento positivo com a melhoria na qualidade de vida.

É fato que a correria cotidiana afeta a saúde física e emocional das pessoas. No mundo atual, onde temos agenda lotada de compromissos e assumimos cada vez mais responsabilidades, a reclamação se torna parte do nosso dia a dia, porém, o que não sabemos é o quanto o ato de reclamar e ser negativo pode prejudicar nossa estabilidade física e mental.

Pesquisa recente do departamento de Psicologia da Universidade de Concordia (Canadá), concluiu que pessoas otimistas tendem a lidar melhor com o stress. O estudo científico é resultado de uma pesquisa que revelou que o nível de cortisol, conhecido como hormônio do estresse, tende a ser mais estável em pessoas com personalidades positivas.
Para a psicóloga Lia Clerot, a reclamação excessiva pode causar transtornos que podem culminar até mesmo numa patologia mais séria, como a depressão. “A pessoa negativa acaba cultivando o hábito de reclamar e isso prejudica não só a saúde física e mental dela, mas também contamina todo o ambiente em que vive o que pode acabar desgastando relações familiares e de trabalho, levando essa pessoa a um isolamento social, o que acarreta um desequilíbrio emocional e pode se tornar uma doença séria como a depressão” explica.
Segundo a especialista, além dos malefícios emocionais, a reclamação e os pensamentos negativos podem desencadear doenças, como a diabetes e demência. “Há tempos os cientistas estudam o quanto o otimismo melhora a nossa qualidade de vida, os resultados das pesquisas mostram que os pensamentos negativos e o estresse causam danos consideráveis no sistema nervoso, o que acaba diminuindo as defesas do organismo, tornando o negativo muito mais propenso a desenvolver uma patologia”, diz.

A psicóloga relata ainda que é possível treinar seu cérebro para o otimismo. “É importante observar como nossas atitudes afetam nossa qualidade de vida, nosso corpo e cérebro são projetados para se defender de situações de perigo, por isso ser otimista é completamente possível. O importante é se autoavaliar e mudar a postura diante de situações adversas não acontecem do dia para a noite, mas é algo que se exercita diariamente” finaliza.

imagem-logo
© Repórter Malu - 2015 - Todos os direitos reservados.
imagem-logo