quarta-feira, 6 de julho de 2016

Defesa usa tese do "apagão mental" para eximir Dilma do crime fiscal, diz Caiado

O senador Ronaldo Caiado (GO) afirmou nesta noite (5/7) que a defesa de Dilma Rousseff usa tese do "apagão mental" para eximir a presidente afastada da responsabilidade pelo cometimento do crime fiscal. O parlamentar rebateu o assistente pericial da defesa, Ricardo Lodi,      que ignorou a Constituição ao dizer que Dilma não pode responder pelo atraso do pagamento da dívida do Tesouro com o Banco do Brasil. 

 "Está difícil explicar o suposto apagão mental da presidente afastada Dilma Rousseff. O assistente pericial da defesa está se esforçando para eximir Dilma da sua responsabilidade no crime fiscal, mas seus argumentos não têm sustentação. O relatório dele diz que não é de responsabilidade da presidente decidir sobre o pagamento da dívida com o Banco do Brasil, essa prerrogativa seria do Ministério da Fazenda. Ele revogou o artigo 84 da Constituição. A carta Magna diz que Dilma responde pelos atos dos seus ministros", argumentou o líder do Democratas. 

Sobre os decretos de crédito suplementar, Caiado criticou Ricardo Lodi que jogou toda responsabilidade nos técnicos do governo. "O perito afirmou que a petista assinou os decretos, mas porque foi orientado pelo seu corpo técnico. Assinou sem saber. Já vimos isso no caso do laudo do ex-diretor Nestor Cerveró, condenado na operação Lava-Jato, no episódio da compra da refinaria de Pasadena. Mas se ela não sabia, como enviou o PLN 5 ao Congresso alterando a meta fiscal? A responsabilidade de Dilma Rousseff está clara, cristalina", pontuou o senador goiano.
Matéria e foto: Assessoria Liderança Democratas Senado

imagem-logo
© Repórter Malu - 2015 - Todos os direitos reservados.
imagem-logo