domingo, 2 de outubro de 2016

INSS afasta ex-ministro e investiga privilégio a aposentadoria de Dilma

Carlos Gabas teria ido pessoalmente à sede do instituto em Brasília, sem agendamento, para garantir a pensão mensal de R$ 5.189,82 à ex-pesidente.O

Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário determinou neste sábado (1º) que o INSS (Instituto Nacional de Seguro Social) afaste o ex-ministro da Previdência Carlos Gabas (PT) e outros dois servidores do órgão para investigar a atuação deles no tratamento privilegiado dado à aposentadoria de Dilma Rousseff.
Reportagem da revista "Época" informou que a petista se aposentou menos de 24 horas depois de ser notificada pelo Senado de seu afastamento definitivo, em 31 de agosto, e que Gabas foi pessoalmente à sede do INSS em Brasília, sem agendamento, para garantir a pensão mensal de R$ 5.189,82 a Dilma.
Segundo nota, o ministério determinou "a imediata abertura de Sindicância e Procedimento Administrativo Disciplinar (PAD) para apurar responsabilidades dos servidores Carlos Eduardo Gabas, Iracemo da Costa Coelho, Fernanda Cristina Doerl dos Santos e de outros eventuais envolvidos nos fatos ocorridos sem o conhecimento da atual gestão".
Coelho era o chefe do INSS no início de setembro quando, segundo a "Época", recebeu Gabas pessoalmente -e sem agendamento- para tratar da aposentadoria de Dilma. Fernanda, ainda de acordo com a revista, foi responsável por fazer 16 alterações no cadastro da ex-presidente em dezembro do ano passado, oito dias depois que o então presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), aceitou o pedido de impeachment contra a petista.
O tempo médio de espera para que uma pessoa consiga atendimento em uma agência do INSS é de 74 dias, 115 no Distrito Federal, onde foi feito o pedido de Dilma. A ex-presidente e seu ex-ministro afirmam que não houve nenhum privilégio ou tratamento diferenciado e que a petista já poderia ter se aposentado há dez anos. Sobre as alterações cadastrais, dizem que havia "pendências" na ficha de Dilma e que, depois de apresentarem documentos para a regularização, os registros foram atualizados.
Eles dizem ainda que houve um agendamento feito "há meses" e que o pedido de alteração foi feito também com antecedência. Não há, porém, registros no sistema do INSS desses agendamentos.
Atual secretário-executivo do Ministério do Desenvolvimento Social, Alberto Beltrame determinou o afastamento dos servidores para que eles "não possam interferir no andamento das investigações". Coelho e Fernanda foram exonerados dos cargos de confiança que ocupavam no INSS, designados pela gestão petista. A decisão será publicada no "Diário Oficial da União" da próxima terça-feira (4). Fonte:Folha Press.

imagem-logo
© Repórter Malu - 2015 - Todos os direitos reservados.
imagem-logo