Centenário de Nelson Mandela traz África do Sul e Promove Semana Cultural em Brasilia

Embaixador da África do Sul, Sr.Joseph Mashimbye,
A Semana da África do Sul que se realiza no Brasil de 12 a 16 de setembro de 2018, como parte das comemorações do Centenário de Nelson Mandela com o tema: “Madiba, o Ícone do Renascimento – Cultura, Governança e Constitucionalidade – Encontrando o Equilíbrio”, vai mostrar mais da cultura sul-africana e objetiva aproximar as pessoas dos dois países, atesta o conselheiro político da embaixada sul-africana, em Brasília, Soly Sebola. O ponto máximo são as relações culturais, mas também fortalece as relações comerciais e o turismo entre os países com grandes potenciais a serem expandidos.

Johannesburg,foto – Van Ariadna, site A.do Sul.
Na avaliação do conselheiro, a moeda Rand comparada com o Real facilita para que os brasileiros escolham a África do Sul, como destino para turismo, isso sem falar nas belezas naturais do país. Com duas companhias aéreas com voos para África do Sul: Latan e South African Airwais que tem ajudado os brasileiros a descobrirem aquele país
Palácio da cidade perdida em Sun City. Um luxuoso hotel-cassino que incorpora os recursos ambientais da região em sua arquitetura, usando também temas mitológicos com esculturas de animais selvagens em tamanho real. O projeto inspira-se em antigos palácios reais. Uma visita obrigatória para o brasileiro já que o Brasil discute a legalização ou não dos cassinos no país.
Perguntei se os sul-africanos já descobriram o Brasil e o conselheiro respondeu que todos os voos para São Paulo, tanto de ida, como de volta, estão sempre lotados. Ele lembra também que de janeiro a julho deste ano o aumento de passageiros para foi de 48%
Exportação brasileira para a África do Sul
As exportações brasileiras para a África do Sul aumentaram 92,91% entre maio e junho de 2018 chegando a US$ 145,8 milhões. No primeiro semestre deste ano (janeiro a junho), já são US$ 709,1 milhões. Os principais produtos exportados são pedaços e miudezas de galos e galinhas (16,58% do total), tratores rodoviários para semirreboques (11,69%), óleos brutos de petróleo (9,02%), veículos aéreos de até 15.000 quilos (4,20%) e coque de petróleo (3,21%). Juntos, estes produtos representam quase metade (44,70%) de tudo que é exportado do Brasil para a África do Sul.
Da Região Sul, frangos é o principal produto de exportação
Os principais produtos exportados de Santa Catarina para o mundo são “pedaços e miudezas de galos e galinhas” (12,72%), que também são os principais produtos exportados do Brasil para a África do Sul. O país africano é o 18º maior destino dos produtos catarinenses, com mais de US$ 62,1 milhões em exportações no primeiro semestre de 2018. O quadro no Paraná é similar. A África do Sul é o 19º maior destino dos produtos paranaenses com US$ 117,6 milhões. E, no caso dos paranaenses, os “pedaços e miudezas de galos e galinhas” (8,44% do total) perdem apenas para a soja (28,45%). Para o conselheiro Soly Sebola, o desafio, agora, é para um equilíbrio entre exportação e importação.
Brasil, maior fornecedor de carne de aves do mundo para a África do Sul
O Brasil é o maior fornecedor mundial de carne de aves para a África do Sul. Em 2015, o país africano importou do mundo US$ 365,7 milhões dessa proteína, dos quais US$ 132,8 milhões foram comprados do mercado brasileiro (36,3%). Segundo a Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio (SRI) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), em 2014, a participação do Brasil foi menor, de 31,5%, de um total de US$ 374,6 milhões, importados pela África do Sul em carne de aves.
Ministro diz que relações com a África são prioridades permanentes
O ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira escreveu, em artigo, na Folha de S. Paulo, no final do ano passado “que as relações com a África constituem prioridade permanente da política externa brasileira. Afirmou que além dos profundos laços humanos e culturais que nos unem, desejamos continuar a aprofundar nosso relacionamento comercial. 
No momento em que nossa economia dá sinais de recuperação, meu segundo périplo africano inscreve-se no esforço de ampliar o diálogo político e comercial com países de grande potencial, de modo a contribuir para o processo de retomada do crescimento”. O ministro escreveu que “o Brasil precisa consolidar sua presença no continente africano com visão estratégica, apostando no dinamismo crescente da região como parceiro prioritário na busca da prosperidade e do desenvolvimento”. 
Na avaliação de Nunes Ferreira, tanto a África quanto o Brasil têm grande contribuição a dar e muito a aprender por meio da cooperação técnica para o desenvolvimento. “A parceria entre o Brasil e a África deve ser semeada e nutrida. As bases de um relacionamento amplo, intenso e equilibrado são construídas a partir da diplomacia, do diálogo, e da aproximação entre sociedades, governos e empresários, seja em Brasília, nas capitais africanas ou em organismos multilaterais”.
A África do Sul, com um evento da comemoração dos 100 anos de Nelson Mandela, sem dúvida, sai na frente para estreitar esse relacionamento a partir da diplomacia, do diálogo e de aproximação entre as sociedades dos dois povos.
Nelson Mandela nos 100 anos de seu nascimento
Preso durante 27 anos, Mandela comandou transição democrática na África do Sul e foi eleito o 1º presidente negro do país
Cem anos após o nascimento de Nelson Mandela, a África do Sul homenageia o ícone da luta contra o apartheid com uma grande exposição mostrando a cultura do país, no Brasil. O ex-presidente soube se aproximar dos que são diferentes e dar esperança aos desesperados. Mandela morreu em dezembro de 2013, aos 95 anos.
Formado em direito, Nelson Mandela ainda jovem assumiu a liderança da resistência não violenta da juventude negra. Entrou para a política e foi escolhido presidente regional do Congresso Nacional Africano (CNA), um partido político engajado no movimento negro. No ano de 1949, porém, o governo aprovou o regime segregacionista, ao qual deu o nome de apartheid.
Líder da resistência pacífica a esse regime, Mandela viajou por todo o país para convocar os negros a reagir e enfrentar as diversas proibições impostas ao seu povo. Também abriu um escritório de advocacia com um sócio, onde ambos trabalharam em centenas de casos na defesa dos interesses de cidadãos negros.
Concluindo que a resistência pacífica seria insuficiente para combater o apartheid, ele passou a coordenar pequenos atentados de sabotagem contra o governo à frente da Lança da Nação, o braço armado do CNA. Perseguido, passou dois anos na clandestinidade até ser capturado.
Em 1964, Mandela foi condenado a prisão perpétua e enviado para a prisão da Ilha Robben. Após inúmeras negociações e transferências entre prisões, Mandela foi liberdade em fevereiro de 1990, após 27 anos de prisão. Quatro anos depois, sua eleição como primeiro presidente negro da África do Sul pôs fim definitivo aos 45 anos de regime racista branco. Ele ocupou o cargo até o final de seu mandato, em 1999.
Crianças acendem velas em volta de uma pintura, em homenagem ao centenário do ex-líder africano Nelson Mandela, em Mumbai, na Índia –Hoje, Mandela é considerado o fundador da África do Sul moderna. Comandou o país em seu momento mais crítico, quando as tensões e ressentimentos acumulados após quatro décadas de segregação racial poderiam ter levado brancos e negros a uma guerra civil.
Apesar de ter sido visto como uma figura controversa durante grande parte da sua vida e denunciado como terrorista comunista por seus críticos, acabou sendo aclamado internacionalmente por seu ativismo e recebeu mais de 250 prêmios e condecorações, incluindo o Nobel da Paz, em 1993.
Mandela morreu em dezembro de 2013, aos 95 anos, após uma prolongada infecção pulmonar. Porém, todos os anos, o “Mandela Day”, que marca o nascimento em 18 de julho de 1918 de “Madiba”, como o líder sul-africano é carinhosamente chamado, tem sido comemorado em todo o mundo.
SEMANA CULTURAL DA AFRICA DO SUL: COMEMORACOES DO CENTENÁRIO DE NELSON MANDELA
Brasília 12-16 Setembro 2018
Imprensa Local ouve atentamente ser embaixador Joseph Mashimbye
  • Exposição de Nelson Mandela;
  • Palestra Memorial Nelson Mandela;
  • Apresentações musicais de Ladysmith Black Mabazo e Duzi Plaatjie Ensemble;
  • DJ Oskido;
  • Mostra de filmes;
  • Compromissos bilaterais entre os Ministérios de Artes e Cultura da África do Sul e Brasil.
Programa da Semana Cultural da África do Sul
Data             Horário                                   Evento
12/09/201818:00 to 20: 00Exposição Nelson Mandela no Palácio do Itamaraty
Apresentações de Ladysmith Black Mambazo
Dizu Plaatjie Ensemble

13/09/201810:00 to 12:00Ministério da Cultura compromissos bilaterais
13/09/201814:30 to 17:00


Nelson Mandela Palestra Memorial na Universidade de Brasília
13/09/201819h00 to 21h00Apresentações de Dizu Plaatjie and Ladysmith Black Mambazo no Centro Cultural do TCU
14/09/201819:00 to 20:30Mostra de filmes Sul-africanos no Centro Cultural do TCU

14/09/201821:00 to 00:00Mostra de filmes Sul-africanos no Centro Cultural do TCU
15/09/201818:30 to 22:00


21:00 to 00:00
Mostra de filmes Sul-africanos no Centro Cultural do TCU

DJs Oskido no Clube Elefante Rosa
16/09/201818:30 to 22:00Mostra de filmes Sul-africanos no Centro Cultural do TCU
 Blog Edgar Lisboa (www.edgarlisboa.com.br)


Publicidade - Blog da Malu




© Blog da MaluTodos os direitos reservados.
imagem-logo