quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Gastróloga da escola CEAV Jr. dá dicas para crianças comerem bem

O governo federal criou, nesta quarta-feira, 4/11, o Pacto Nacional para Alimentação Saudável, por meio de decreto publicado no Diário Oficial da União. O objetivo é mobilizar governos e sociedade civil para ampliar o acesso à alimentação saudável e combater a obesidade. As medidas previstas no pacto incluem incentivo à produção de alimentos orgânicos, agroecológicos e da agricultura familiar, e o estímulo ao consumo de alimentos saudáveis no ambiente escolar. A iniciativa prevê ainda reduzir de forma progressiva os teores de açúcar, de gorduras e de sódio nos alimentos processados e ultraprocessados.
 A gastróloga da escola de Educação Infantil CEAV Jr., Vanessa Prado, explica que para introduzir a alimentação saudável na rotina das crianças é necessário que os hábitos comecem desde cedo, e a escola tem papel fundamental.
 “Uma das propostas que desenvolvemos na instituição é que os pequenos participem da elaboração de receitas de fácil compreensão e de manuseio rápido, por isso implantamos o projeto ‘Cozinha Experimental’. As crianças colaboram no preparo de doces de abóbora e de batata doce, além de brigadeiro de cenoura. Gelatina de beterraba e sucos em geral também estão incluídos na lista de lanches”, diz Vanessa.
 Vanessa Prado reconhece que é difícil fazer as crianças trocarem as batatas fritas por brócolis, tomate e alface. A solução, segundo ela, está nas cores dos alimentos: o prato deve ser o mais colorido possível.

 “Aos poucos os pequenos já sabem que a refeição deve ter, no mínimo, cinco cores. Algumas crianças contam que nunca comeram frutas, e que não gostam de legumes ou de salada verde de jeito nenhum. Mas aos poucos mudam de opinião e pedem refeições como caldo verde de mandioquinha com couve, salada de frutas, tapioca, sucos naturais e espinafre refogado com cenoura”, afirma Vanessa.
 O projeto ‘Cozinha Experimental’ é realizado em espaço próprio para a preparação dos pratos.
 “Na preparação das ‘bolachinhas amanteigadas’, por exemplo, cabe aos pequenos picar o chocolate. Já as professoras ficam com a tarefa de usar o fogão para derreter o chocolate e assar os biscoitos no forno. O forno, o microondas e o fogão ficam longe do alcance dos alunos”, explica Vanessa, que acrescentou: “Na escola fazemos nossa parte e precisamos que os pais ajudem oferendo alimentos saudáveis em casa também. A beterraba, por exemplo, pode ser inserida em diversas refeições, como com arroz, no suco, na gelatina e refogadinha com outros legumes. É importante que as crianças aprendam a gostar de sabores saudáveis”.


 imprensa: Patrícia Fahlbusch 3365-1261

imagem-logo
© Repórter Malu - 2015 - Todos os direitos reservados.
imagem-logo