sábado, 2 de julho de 2016

3 explicações do porque os millennials estão infelizes no trabalho

Recém saídos da graduação ou há pouco tempo no mercado de trabalho, constantemente nos pegamos questionando tudo, o nosso trabalho, a indústria, os gerentes, a pressão, nossas habilidades, etc. Isso acontece porque os millennials tem um determinado conjunto de ansiedades específicas ao seu grupo de idade.

crise-existencialA psicóloga clínica Meg Jay implora que os jovens de 20 aproveitem ao máximo, deixando a tomada de grandes decisões para os seus 30. Ela usa as histórias de seus pacientes para introduzir, explicar e na maioria dos casos, oferecer soluções para a carreira, relacionamentos e angústias enfrentadas pelos jovens profissionais.
Aqui, mostramos três ansiedades comuns experimentados no local de trabalho.
Em uma troca de e-mail com o site Refinery29, o Dra. Jay deixa alguns conselhos.
1. Isso vale a pena? 
Geralmente, o primeiro emprego ou estágio são aqueles que pagam pouco, com tarefas não muito grandiosas. Por isso, depois de algumas semanas, normal questionar se isso vale a pena.
Dra. Jay fala do “repertório de recursos individuais que montamos ao longo do tempo.”
Esses ativos nos levam a futuras oportunidades e podemos ganhar esse capital mesmo em estágios aparentemente sem esperança.
“Olhando para trás na minha carreira … havia sempre algo nela para mim, além do salário que eu precisava. Tinha certeza de que era um bom investimento do meu tempo, que, em troca do meu tempo e esforço, eu estava indo para algum novo pedaço de capital de identidade, um ativo como uma habilidade ou diploma ou cargo ou ligação que eu não tinha antes. Cheques de pagamento são gastos, mas o capital de identidade nunca vai embora. É claro que havia empregos temporários que não tinham o capital, mas, geralmente, eu tinha esses trabalhos ao mesmo tempo que outro, que oferecia o capital de que eu precisava. Quando não há mais nada para você em um trabalho além de dinheiro, é hora de ir embora, se você puder”, explica dra. Jay.
2. Porque eles não gostam de mim?danny-glover-crying
“Quando temos vinte e poucos anos, ser criticado causa ansiedade e irritação,” diz Dr. Jay. “Eles geram sentimentos negativos e os deixam obcecados com o “porquê.”
Como podemos diminuir a tendência de levar o trabalho tão para o pessoal?
“Quando as coisas dão errado, seu cérebro é capaz de respostas ‘quentes’ e ‘frios’. Respostas quentes são emocionais e automáticas, e eles vêm da amígdala, que é uma parte do nosso cérebro que é ligado ao trabalho. No nascimento, nós gritamos, choramos, entramos em pânico. Respostas frias são racionais, e envolvem pensar de forma mais lenta e tendo múltiplas perspectivas. Estes vêm do córtex pré-frontal, que é uma parte do nosso cérebro. Uma coisa que é muito perturbadora para a amígdala, e pode causar reações quentes, é a incerteza. Sem dúvida, seus 20 anos são os anos mais incertos de sua vida. Este é o único momento em que, de uma só vez, você pode não saber onde trabalhar, viver, estar, se vai ser capaz de pagar as contas, e se você vai ser feliz.
Faça o que fizer, lembre-se que sentir-se ansioso e inseguro, não significa necessariamente que você está fazendo algo errado. Ela pode apenas significar que você está fazendo algo novo e, portanto, incerto.”
mirror-selfie3. Eu tenho o que é preciso?
É natural se comparar aos outros no local de trabalho, especialmente quando chega em um novo ambiente. Aqueles que estiveram na empresa por mais tempo, e / ou são mais velhos e mais sábios, parecem ter nascido com uma confiança que simplesmente não possuímos. Nós podemos facilmente aceitar isso como verdade e continuar a acreditar que nós nunca vamos atingir esse nível de capacidade.
Dra. Jay descreve duas mentalidades que pessoas de vinte e poucos anos podem assumir em um ambiente de trabalho: crescimento e fixo.
A mentalidade fixa é aquela em que acreditamos que as pessoas são confiantes ou não. Quando pensamos desta forma, é fácil nos convencer de que aqueles que são mais experientes no nosso local de trabalho, naturalmente, têm maior autoestima, e que nós simplesmente não temos “isso”.
Por outro lado, aqueles com um código construtivo acreditam que as pessoas podem mudar e o sucesso pode ser alcançado.
“Leia autobiografias ou memórias ou biografias. Eu sou viciada nelas e amo o jeito que elas te mostram o que se passou. Quando vemos pessoas bem sucedidas, somos tentados a assumir que eles apenas “tem” ou que “tiveram sorte” ou “herdaram”, quando raramente é esse o caso, como qualquer bom livro de memórias vai mostrar.”
Ou seja, no final do dia, o ditado que prega: Paciência é uma virtude continua válido hoje em dia.
#aprendizado#mudançamillennials

imagem-logo
© Repórter Malu - 2015 - Todos os direitos reservados.
imagem-logo